Aterro em Seropédica começa a ser construído

O início, nesta sexta-feira, das obras da nova Central de Tratamento de Resíduos (CTR), em Seropédica, será o primeiro passo para o fechamento do Aterro de Gramacho, em Caxias, que hoje recebe quase todo o lixo da capital. A licença para a construção da CTR foi concedida, nesta sexta-feira, pela prefeitura local e de acordo com a Ciclus, empresa que vai operar o novo aterro, a previsão é que já em dezembro o lugar seja inaugurado e comecem as atividades. Assim, Gramacho poderá ser encerrado em 2012, já que a CTR também receberá todo o lixo do Rio e de Itaguaí.

A Câmara de Vereadores de Seropédica aprovou, no ano passado, uma emenda à Lei Orgânica proibindo a construção de aterros sanitários na cidade. A prefeitura, então, entrou na Justiça com uma ação direta de inconstitucionalidade contra a proposta. A decisão favorável ao Poder Executivo foi dada na última segunda-feira. Isso permitiu que a prefeitura concedesse a licença para a obra. Todas as autorizações, inclusive as ambientais, já tinham sido dadas pelo estado.
Para o prefeito do Rio, Eduardo Paes, o fim do Aterro de Gramacho será um marco para a Região Metropolitana. De acordo com ele, o lixo terá uma solução limpa, ambientalmente correta e viável economicamente.

Mais do que receber o lixo, a CTR de Seropédica será uma usina de geração de energia a partir da queima do gás metano captado dos detritos. Também será produzida energia em sete unidades no Rio (Caju, Vargem Pequena, Taquara, Santa Cruz, Bangu, Marechal Hermes e Penha), as Estações de Transferência de Resíduos, que receberão o lixo antes de ele ser levado para Seropédica. Nesses locais, a energia será produzida com a queima de lixo seco.

 

Fonte: Correio do Brasil em 13/08/2010

Deixe uma resposta