Chapas confrontam-se na UFRuralRJ

A Comissão Eleitoral da UFRuralRJ, formada pela ADUR-RJ, SINTUR e o DCE, organizou ontem (7) um debate entre as três chapas concorrentes a administração geral da universidade, Tempo de Viver Melhor (1), Travessia (2) e Interação (3). O evento aconteceu no Auditório Gustavo Dutra, o qual ficou lotado de interessados em conhecer melhor os candidatos, ouvir as propostas e fazer campanha para os favoritos.

O debate foi composto por três momentos de cinco blocos. No primeiro, perguntas do público eram feitas para todos os candidatos, no segundo cada pergunta era direcionada a uma determinada chapa e no terceiro integrantes perguntavam para outras chapas com direito a réplica e tréplica.

Foram debatidos temas como expansão de cursos de biomédicos e hospital universitário, propostas para inclusão e melhorias dos campus Nova Iguaçu e Três-Rios, o tripé graduação, pesquisa e extensão, conselhos, hotel universitário, condições de trabalho, produção e parcerias na pesquisa com a capes ou empresas privadas.

A Interação planeja a ampliação da área da saúde e engenharias em todos os campus, como prioridade a longo prazo, devido a carência na área da saúde nas cidades onde a universidade está instalada. Acreditam na parceria público-privado em uma política pró ativa de captação de recursos para ampliação da pesquisa, reforma curricular, além de mais investimentos na graduação e extensão. “Foi uma irresponsabilidade o que a atual gestão fez. Tivemos o aumento em um único instituto de 10 cursos, sem uma correspondência das vagas docentes com as de discentes, tem cursos iniciados em 2010 com apenas três professores concursados, falta de planejamento na pasta de ensino e graduação”, indagou Antonio Carlos Nogueira, candidato a Reitor.

A Tempo de Viver melhor concorda com a expansão na área da saúde, também devido a carência de serviços públicos nas áreas do entorno da universidade, afirmam que já fizeram os primeiros contatos com o hospital de Nova Iguaçu e ao Ministério da Educação para dar prioridade a este projeto. A chapa trás a primeira mulher a ser reitora da UFRuralRJ e aposta na continuação da ampliação de uma universidade inclusiva, democrática e descentralizada. “Nós nos propusemos a fazer um planejamento estratégico, voltado para que todos possam canalizar suas expectativas em processos construídos coletivamente, a partir da reestruturação das Pró-Reitorias e a formação dos conselhos de campi”, contou Nidia Majerorowicz, candidata a Pró-Reitora de Assuntos Financeiros.

A Travessia entende que este não é o momento para expansão na área de Biomédicas, já que muitos dos cursos que já existem na Rural estão sucateados e precisando de atenção. “É impossível pensar em projeção neste momento, a universidade está padecendo de uma falta de planejamento incomum, a Educação física está largada, o curso de Farmácia está um caos, não tem professor, nem sala. Agora vão falar em criar biomédica como?”, afirmou José Antônio Veiga, candidato a Reitor. O grupo ainda defendeu uma reestruturação da Pró-Reitoria de Extensão que em suas palavras vem ganhando um caráter assistencialista, o que por si só já a mata. Eles afirmam que seu programa não é fechado, deve ser construído com todos, apoiam maiores investimentos em infraestrutura física e defendem os Conselhos Universitários como protagonista das decisões junto à reitoria.

 

O Auditório Gustavo Dutra ficou lotado para assistir ao primeiro debate dos concorrentes a administração geral da UFRuralRJ – FOTO NATÁLIA FIGUEIREDO

 

Fonte: Jornal Atual

Deixe uma resposta