Entre a vida e a morte

O torcedor do Palmeiras baleado na cabeça, ontem na Via Dutra, depois do jogo contra o Flamengo, corre risco de morrer. Segundo a Polícia Rodoviária, houve um arrastão e muito tumulto. Quase 600 palmeirenses foram cadastrados, mas, como não houve flagrante, todos foram liberados.

O caso foi registrado como tentativa de homicídio e está sendo investigado pela Delegacia de Queimados. Os investigadores informaram que vão solicitar as imagens das câmeras de segurança da concessionária Nova Dutra, para tentar identificar quem efetuou os disparos.

Segundo a Polícia Rodoviária federal, por volta das 20h de ontem , um grupo de torcedores do Palmeiras fez um arrastão na praça do pedágio. Um motorista tentou escapar. O carro dele foi atingido por tiros. Na confusão, dois torcedores que tinham ficado dentro de um dos ônibus foram feridos.

Alessandro Camilo de Mello foi baleado na cabeça e Francisco José de Souza, de raspão no braço. Alessandro está internado em estado grave, no Hospital de Nova Iguaçu.

O motorista que teve o carro baleado prestou depoimento na Delegacia de Seropédica. Ele contou que viajava com a família quando chegou à praça do pedágio e ouviu vários disparos. Para tentar escapar, chegou a fazer o retorno e jogou o carro no matagal. Em seguida, foi até um posto da Polícia Rodoviária perto do local.

Os 540 torcedores foram cadastrados e revistados pela polícia. Nenhuma arma foi encontrada. Segundo os agentes, 31 torcedores tinham antecedentes criminais e um era foragido da Justiça de São Paulo. Foi o único detido.

De acordo com a polícia, os torcedores podem ser intimados a depor no Rio. A concessionária Nova Dutra informou que não fez imagens do arrastão de ontem à noite, na praça do pedágio, e não vai se pronunciar sobre o caso.

Fonte: RJTV na Baixada em 14/05/2007

Deixe uma resposta