Greve na EMBRAPA tem adesão de 80% no primeiro dia

Os trabalhadores da Embrapa de todo o país estão em greve a partir de hoje (2/6). O movimento foi convocado pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário – SINPAF, em reação à mudança na forma de cálculo do adicional de insalubridade. A categoria é contra a retirada de quaisquer benefícios estabelecidos em acordos coletivos.

 

De acordo com levantamento da Diretoria Nacional do Sindicato, cerca de 80% dos trabalhadores aderiram à greve neste primeiro dia. Somente três ou quatro unidades da empresa não pararam. A greve prosseguirá até que a diretoria da Embrapa possibilite um acordo com os trabalhadores.

 

Nesta quinta (4/6), os trabalhadores das unidades da Embrapa no Distrito Federal – Cenargen, Hortaliças e Cerrados – farão uma mobilização na Embrapa Sede (final da W3 Norte) durante a reunião de negociação do Sindicato com a empresa. O SINPAF acolherá os manifestantes com um café da manhã e servirá almoço. Na ocasião, também será servido um bolo em comemoração aos 20 anos de fundação da entidade.

 

O principal motivo da greve

A partir do acordo coletivo do ano passado, a empresa passou a calcular o valor do adicional de insalubridade com base no salário dos trabalhadores. Este ano, ao iniciar as negociações da Campanha Salarial 2009 com o Sindicato, a diretoria da Embrapa informou que não aceitaria renovar essa cláusula. Dias depois, processou a folha de pagamento com o valor do benefício calculado sobre o salário mínimo.

 

A empresa alega estar de acordo com a legislação pertinente, o que não é verdade. Desde a edição, pelo Supremo Tribunal Federal, da Súmula Vinculante nº 4, que proíbe a utilização do salário mínimo – base até então adotada pela CLT e pela jurisprudência trabalhista, muitas dúvidas surgiram. É que a Súmula, embora declarando inconstitucional a adoção do salário mínimo, não fixou outro critério e entendeu não ser possível a sua substituição por decisão judicial. Mas o próprio STF explicitou que o salário mínimo poderia continuar servindo de base até que a questão seja objeto de lei ou de convenção coletiva, como é o caso dos trabalhadores da Embrapa.

 

A Diretoria Nacional do SINPAF, que tem sede em Brasília, tentou negociar com a empresa, mas a diretoria em exercício não se mostra nem um pouco disposta a repensar sua decisão. Por isso, só resta à categoria fazer a greve.

 

Campanha salarial 2009

A greve dos trabalhadores ocorrerá em meio à negociação do Acordo Coletivo 2009/10, cujas principais reivindicações são: reajuste salarial de 15%, reajuste nos valores dos demais benefícios econômicos e a ampliação do reconhecimento das condições insalubres existentes na Embrapa.

 

Tecnologias geradas pelos trabalhadores da Embrapa criaram 79 mil novos empregos no país em 2008

A atuação da Embrapa resultou num lucro social de R$ 18,3 bilhões em 2008. Cada real investido na empresa gerou R$ 13,55 para o Brasil. Ao avaliar os impactos de 112 tecnologias desenvolvidas e transferidas para a sociedade, a empresa detectou a criação de 79 mil novos empregos em 2008. Este é um patamar mínimo, pois se refere aos empregos gerados pelas tecnologias avaliadas no ano passado. Os números constam do Balanço Social 2008.

 

 

Maior empresa de pesquisa agropecuária tropical do mundo

A Embrapa é a maior empresa estatal de pesquisa agropecuária tropical do mundo. Tem 8.484 empregados – dos quais 2.125 são pesquisadores, em mais de 40 unidades espalhadas pelo país, e orçamento superior a R$ 1 bilhão. Coordena o Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária constituído por instituições públicas federais, estaduais, universidades, empresas privadas e fundações, que, de forma cooperada, executam pesquisas nas diferentes áreas geográficas e campos do conhecimento científico.

 

Veja como tecnologias geradas pelo SNPA mudaram a agricultura brasileira nos últimos anos:

 

– um conjunto de tecnologias para incorporação dos cerrados no sistema produtivo tornou a região responsável por mais de 40% da produção brasileira de grãos, uma das maiores fronteiras agrícolas do mundo;

 

– a soja foi adaptada às condições brasileiras e hoje o país é o segundo produtor mundial;

 

– a oferta de carne bovina e suína foi multiplicada por 4 vezes enquanto que a de frango aumentou 18 vezes;

 

– a produção de leite aumentou de 7,9 bilhões em 1975 para 25,4 bilhões de litros;

 

– em 2006 a produção brasileira de hortaliças elevou-se para 17,5 milhões de toneladas produzidas em 771,4 mil hectares, em 2006.

 

Trabalhadores merecem retorno

Os números acima demonstram a efetiva contribuição que os trabalhadores da pesquisa e desenvolvimento agropecuário dão ao Brasil. “Os trabalhadores da Embrapa são parte efetiva dessa contribuição e merecem retorno pela sua atividade”, afirma Valter Endres, presidente do SINPAF.

 

 


Assessoria de imprensa: 9202 2946 (Elizângela)

Deixe uma resposta