Isenção no pedágio

A Câmara dos Deputados aprovou, na última terça-feira (26), projeto de lei que concede isenção do pagamento de pedágio a moradores que comprovarem residência ou exercício de atividade profissional permanente no município em que esteja instalada a praça de cobrança de tarifa de pedágio. O projeto será agora apreciado pelo Senado Federal.

MOTORISTAS de Seropédica terão isenção em praça localizada na BR- 465. (FOTO BRUNA RODRIGUES)
MOTORISTAS de Seropédica terão isenção em praça localizada na BR- 465. (FOTO BRUNA RODRIGUES)

O projeto 1023/11 do deputado federal Esperidião Amim (PP-SC), poderá trazer benefícios significativos para a cidade. Em sua justificativa Amin acrescenta que a simples decisão de localizar uma praça de cobrança de pedágio em um determinado município pode comprometer seriamente a competitividade das atividades econômicas nele localizadas. “Não se pode imaginar que a Via Dutra seja financiada por moradores locais, das cidades que margeiam a rodovia”, afirmou o deputado.

O prefeito de Seropédica, Alcir Fernando Martinazzo, comemorou a aprovação deste projeto na Câmara dos Deputados e afirmou que sempre lutou para que os moradores de Seropédica fossem isentos de pagar os pedágios instalados na cidade. “Estou muito feliz com a aprovação deste projeto na câmara, agora a luta é pela aprovação no Senado Federal, este projeto sendo definitivamente aprovado, resolverá um grande problema da nossa cidade. Continuarei como um soldado na luta pelo fim da cobrança do pedágio para os moradores e trabalhadores de Seropédica”, garantiu.

Segundo o presidente da Câmara de Dirigentes e Logistas (CDL) de Seropédica, Adriano Amaral, a novidade será essencial para o desenvolvimento do comércio.“Moradores de bairros mais distantes, como São Miguel e Santa Alice, preferem comprar em outras cidades, pois precisam pagar o pedágio na BR-465”, comenta. Amaral destaca que a isenção na praça localizada na entrada da cidade não é suficiente para atender o fluxo. “Caminhões de carga pesada utilizam essa rota de fuga e entravam o trânsito da Avenida Ministro Fernando Costa”, diz. Ele conta que vários pedidos para que comerciantes não pagassem pedágio foram negados. “Esse projeto ajudará muito nesta conquista”, anima-se.

O morador do Bairro São Miguel, João Carlos de Morais, também está ansioso para a instauração da lei. Para ele, a diminuição da passagem de veículos pelo local vai amenizar os buracos nas ruas. “Muita gente passa aqui para não pagar o pedágio e isso piora o asfaltamento”, reclama. Compartilhando o mesmo sentimento, o comerciário Silvano Montes comenta as dificuldades financeiras de quem mora longe e deseja comprar em Seropédica. “Para vir de Santa Alice uma vez gasta-se 20 reais, é absurdo”, ressaltou.  O projeto seguirá para o Senado e ainda não tem previsão de votação.

Fonte: Jornal Atual

4 comments

  1. Pedágio para quem transita deve ser aplicado na antiga Rio-São Paulo, senão a praça deveria ser tão somente para que sai para acessar a Dutra. A antiga Rio-São Paulo está esburacada mal sinalizada e plenamente radarizada.

    Poderiam pegar os recursos do pedágio (de quem tem de pagar) fazer a manutenção da antiga Rio-São Paulo e instalar um trevo de acesso na Piranema, local sem a mínima sindicalização e tragédia anunciada. Estão esperando um grande acidente naquele local para quê? Fazer um lindo memorial às vítimas?

  2. Gostaria de saber se alunos da rural que moram em outros municípios como Rio de Janeiro estão isentos do pedágio na Dutra próximo ao bairro São Miguel?

  3. É claro que a isenção é importante, mas não é só isso que prejudica os moradores do bairro, também tem a dificuldade de acesso, os longos retornos, o fechamento de alguns acessos e a criação de agulhas onde deveria haver retornos(estamos ilhados, sem contar a precariedade das ruas do bairro.
    A concessionária está cobrando pedágio dos carros com placa de outras cidades que precisam acessar o bairro, então, deveriam no mínimo consertar as ruas, pois pagar pedágio para entrar em um lamaçal é uma vergonha.

Deixe uma resposta