Muitos problemas para um bairro só

A produção de banana já foi uma grande fonte de renda, na década de 30. Daí surgiu o primeiro nome da comunidade: Bananal.

“Quando os terrenos foram loteados, passou a ser Bananal”, lembra um morador.

Hoje o bairro se chama Jardim Maracanã. O motivo desse nome ninguém sabe. Segundo os moradores, de jardim mesmo há poucas referências. As ruas não são pavimentadas e por isso Seu Manoel enfrenta alguns problemas para sair de casa, mesmo de carro.

[IMG]http://www.seropedicarj.com.br/noticia/Minhas Imagens/lixão.jpg[/IMG]


Thiago explica que a água da chuva se mistura ao esgoto e invade as residências: “Se chover meia hora, inunda a rua toda. Fica difícil você passar”.

Por causa do estado da rua que dá acesso ao Centro de Seropédica, os moradores do bairro têm medo de ficar isolados. O problema, segundo eles, é que, quando chove forte, uma ponte fica totalmente encoberta pela água, impedindo a comunidade de passar de um lado para o outro. E por causa da falta de manutenção, a terra está cedendo, ameaçando a ponte, que pode cair a qualquer momento.

Pelo lugar, passam carros e até caminhões. “Quando chove, fica escorregadio. Quando está alagado, não dá para passar”, comenta um motorista.

Esse caminho de trânsito intenso é conhecido como “a estrada da lixeira”, porque há um enorme aterro que recebe toneladas de lixo diariamente.

“Crianças aqui estão com problemas respiratórios horríveis, porque a fumaça invade as casas. É a noite toda”, reclama um morador.

A Secretaria de Obras de Seropédica informou que um trator-esteira trabalha diariamente no lixão mostrado na reportagem. Segundo a secretaria, isso é suficiente para espalhar o lixo e evitar que os resíduos cheguem até as ruas e casas.

A prefeitura informou que está investindo em uma usina de tratamento de lixo que já existe, para evitar as queimadas. O secretário de Obras de Seropédica, Ivan Lopes dos Santos, informou que a prefeitura busca parcerias com o estado, para pavimentar as ruas, construir novas pontes e também fazer as obras de saneamento.

O secretário também diz que vai à comunidade ainda hoje, para ver o que pode ser feito de imediato.

RJTV na Baixada em 24/04/2007

Deixe uma resposta