Nossos carros… Nossa cidade…

Aproveitando a coluna do Salviano Dutra sobre a estrada Rio-São Paulo, vocês sabem qual o número de veículos existentes no município? Cerca de 3400 automóveis de passeio, 350 caminhões, 800 motocicletas, e 170 ônibus e micro-ônibus. E Itaguaí? Cerca de 15000 automóveis de passeio, 1000 caminhões, 2500 motocicletas, 400 ônibus e micro-ônibus. Muito mais né… Quer saber do município do Rio? 1,3 milhões de automóveis, 300 mil caminhões, 100 mil motos, 23 mil ônibus e micro-ônibus. Todos os dados são do IBGE (www.ibge.gov.br ) e se referem ao ano de 2005.
Mas espere aí, se falamos que na coluna anterior, em 2005, a população era de 95 mil pessoas em Itaguaí e 75 mil em Seropédica, por que temos tão poucos carros em nosso município? E mais ainda por que o trânsito, mesmo nas ruas internas de Seropédica, parece tão complicado?
Tenho algumas teorias. A primeira passa pelo baixo PIB (conjunto de riquezas produzidas no município) da cidade de Seropédica, quando comparada com as demais de sua região (veja coluna anterior). Ou seja, somos mais pobres e por tanto temos menos recursos para comprar carros; A segunda teoria é que boa parte das empresas inseridas aqui ainda tem razão social de Itaguaí, o que inviabiliza o emplacamento dos carros no município; A terceira, é que por ser uma cidade dormitório, muitos de nós emplacamos nossos carros na cidade que compramos e em geral boa parte dessas pessoas preferem carros com placas do Rio de Janeiro; A Quarta é o grande número de pessoas que circulam aqui em função da Universidade Rural, Embrapa, Pesagro, etc., que são de fora do município e simplesmente trabalham aqui, mas optam por emplacar seus carros em seus municípios de origem.
Não se esqueça que parte do IPVA dos carros vai para o município… Se não temos carros emplacados aqui, não temos impostos… Será que é essa a desculpa da prefeitura pelo elevado número de buracos e a falta de asfaltamento das ruas municipais?

Um fortíssimo abraço.
Daniel Dassaiev é morador de Seropédica.
Faça suas sugestões, comentários e críticas aqui, logo abaixo dessa coluna.

Deixe uma resposta